quarta-feira, dezembro 31, 2014

The Dirty T-Shirt Band - 1959 Gibson Les Paul burst Live Tone


Maria de Medeiros - "A litle more blue"


Teatro Helena Sá e Costa

Endereço: R. da Alegria, 503
Código Postal: 4000-045
Telefone: 225193760 / 961631382
Email: thsc@esmae-ipp.pt
URL: http://esmae-ipp.pt/thsc
Município: Porto
Bilheteira: Entrada pela rua da Escola Normal nº 39
Reserva: Levantamento das reservas até 30 minutos antes do início do espectáculo
Horário: Bilheteira aberta só em dias de espectáculo, 2h antes do início do espectáculo
Transportes: Metro: estações do Bolhão, do Marquês e da Trindade. STCP: 302, 701 e 702
O Teatro Helena Sá e Costa (THSC) inaugurado a 19 de Maio de 2000, é propriedade do Instituto Politécnico do Porto (IPP). A sua gestão está integrada na Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo (ESMAE) e rege-se pelos estatutos publicados no Diário da República – II Série, nº 132 de 10/07/2009. Tem como missão divulgar e fomentar as Artes, enquanto ferramentas do processo do conhecimento e do crescimento integral do indivíduo, nas vertentes da dança, música, teatro e artes da imagem, potenciando a revelação de novas tendências e suportando movimentos de projectos artísticos embrionários dentro e fora da instituição. Os seus objectivos passam por promover projectos artísticos capazes de captar e fidelizar novos segmentos de público(s) e por participar na dinamização cultural da cidade do Porto. O THSC tem como estratégia a apresentação de novas criações e de novos criadores, o acolhimento de produções exteriores, particularmente inseridas nas novas linguagens das artes performativas e o acolhimento das produções da ESMAE nas áreas da música, teatro e audiovisual.


segunda-feira, dezembro 29, 2014

Mariana grava seu primeiro EP em Janeiro

A açoriana Mariana, que ficou conhecida pela sua participação no Factor X, entra em estúdio no próximo mês de Janeiro para gravar músicas de sua autoria com o conceituado produtor Rui Fingers.

Em 2014 representa o talento açoriano na Bolsa de Turismo de Lisboa e reúne vários músicos açorianos e forma a sua banda. Com a sua banda, composta com músicos da sua ilha, realiza a sua primeira digressão em 2014, que percorre as maiores festividades e festivais dos Açores, Madeira e também juntos dos açorianos emigrados no Canadá.

Precisamente durante o ano de 2014 Mariana inicia o processo de composição de vários temas originais com a sua banda, que tiveram a sua estreia ao vivo no primeiro espectáculo dado na sua Ilha de São Miguel no Coliseu Micaelense.

A escolha do produtor recaiu em Rui Fingers, conhecido pelos seus trabalhos com Paulo Gonzo, nos estúdios VBM em Lisboa onde passaram artistas como Pedro Abrunhosa, Daniela Mercury, Carlos do Carmo, Jorge Palma, Rui Veloso, Mariza, Madredeus, The Gift ou José Cid.

O lançamento do EP está programado para o primeiro trimestre de 2015, em formato EP, com vários temas de sua autoria e também com a edição de videos.

Facebook: http://www.facebook.com/marianaoficialaz

Site: http://www.mariana.com.pt

sábado, dezembro 27, 2014

Antonio Chainho

Chainho nasceu em São Francisco da Serra, concelho de Santiago do Cacém, Baixo Alentejo. Recebeu influência musical de seus pais, a guitarra do pai e os fados de Amália, cantados pela mãe. Aos oito anos, já iniciava-se na guitarra e aos treze já acompanhava os fados cantados pela mãe. Na altura iniciava a tocar as guitarradas que ouvia na Rádio Nacional. Cumpriu o serviço militar em Beja, e serviu em Moçambique no período da Guerra Colonial. Conta-se que mesmo quando entrava no mato, levava sua guitarra. Foi em sua passagem por Moçambique que iniciou profissionalmente sua carreira artística, participando de programas na Rádio Nampula. Ao terminar o serviço militar, retornou a Portugal e pouco tempo depois iniciou a carreira na televisão, com sucesso imediato. Formou um conjunto o qual reunia os guitarristas José Luís Nobre Costa e os tocadores de viola Raul Silva e José Maria Nóbrega. Posteriormente, mudou as posições, deixando de acompanhar cantores, passando a ser acompanhado por estes, mais tarde retornando também a acompanhar. Tornou-se reconhecido internacionalmente tanto por suas apresentações em concertos ao redor do mundo, quanto por sua discografia.



Em 1962, durante a gravação de um programa de rádio
A vida e a carreira de Chainho confundem-se, de modo que sua vida entrelaça-se em sua carreira artística. Quando terminou o serviço militar, Chainho já estava decidido que o sua vida seria dedicar-se à guitarra portuguesa. Era então a década de 1960 quando, no auge dos vinte anos, mostrou-se um verdadeiro virtuoso nas doze cordas. Assim, deixava o café dos pais, em São Francisco da Serra, onde tinha iniciado a tocar. Havia herdado do pai a destreza no manejo da guitarra e da mãe o gosto pelo fado, assim, ao definir seu estilo, foi achar inspiração em mestres como Armandinho. Já vivia em Lisboa há três anos quando foi convidado pela Emissora Nacional para um programa de rádio chamado Fados e Guitarradas, no qual performava diretamente ao vivo juntamente com o seu conjunto.


Em 2003, durante a gravação do álbum ao vivo no CCB
Em meados dos anos 60 estreou na casa de fados A Severa, e a partir de então apresentou-se em outras casas como O Faia, O Folclore e no Picadeiro, da qual tornou-se proprietário e onde foi cada vez mais cultivando seu amor pela guitarra portuguesa, chegando a formar o seu próprio conjunto de guitarras.

Quando Chainho passa a acompanhar artistas como Maria Teresa de Noronha, Lucília do Carmo, Carlos do Carmo, Francisco José, Tony de Matos, António Mourão, Frei Hermano da Câmara ou Hermínia Silva, começa então a deixar suas próprias marcas na história da guitarra portuguesa.

Depois de alguns anos de atuações instrumentais, em atuou como acompanhante, decide mudar a ordem das coisas e chamar cantores para acompanhá-lo, e inicia uma sucessão de apresentações internacionais. Nesta trajetória experimenta misturar a guitarra portuguesa à música de outras culturas e assim toca com as artistas brasileiras Gal Costa e Fafá de Belém, a espanhola Maria Dolores Pradera e a japonesa Saki Kubota. No áalbum lançado em 98, A Guitarra e outras mulheres, suas performances são acompanhadas por Teresa Salgueiro (Madredeus), Marta Dias, Filipa Pais, Ana Sofia Varela, Elba Ramalho, Nina Miranda (Smoke City), e por alguns dos músicos de Nova Iorque, como Bruce Swedien, Greg Cohen e Peter Scherer. Este álbum marca sua consagração, ao atingir um índice de vendas superior a vinte mil cópias. Dois anos depois lança o álbum Lisboa–Rio, com os brasileiros Celso Fonseca e Jaques Morelenbaum, entrelaçando a tradição da música portuguesa com clássicos da música brasileira.

O grande guitarrista volta a fazer o papel de coadjuvante de grandes nomes. Chaínho é convidado para acompanhar José Carreras num concerto no Pavilhão Atlântico, também foi convidado por Adriana Calcanhotto em sua turnê por Portugal e por Maria Bethânia em espectáculos no Rio de Janeiro e em São Paulo. Atualmente, é o mentor de um projeto, em Portugal, que fez parte de seus sonhos durante doze anos, a Casa do Fado e da Guitarra Portuguesa

Mário Mata

Mário Mata nasceu em 2 de Setembro de 1960, em Luanda (Angola). Em Agosto de 1974 vem para Portugal continental fixando-se em Portimão. Reparte a casa entre várias localidades do Algarve.

A primeira aparição fora do circuito dos bares ocorreu em Dezembro de 1980 no Programa "Febre de Sábado de Manhã", realizado no Cinema Nimas, com o tema "Não Há Nada P'ra Ninguém". Em 1981 estabiliza-se definitivamente em Lisboa.

"Não Há Nada P’ra Ninguém" é lançado em single e torna-se um dos maiores sucessos desse ano. É também lançado o álbum com o mesmo nome.

Em Maio de 1981, Mário Mata participou no programa "Febre de Sábado de Manhã" de homenagem ao jogador Artur que levou 45.000 pessoas ao Estádio de Alvalade.

Em 1982 é editado o álbum "Não Mata Mas Mói" e o single "É Pr'a Desgraça". No ano seguinte é lançado "Que Grande Seca", um novo single.

É editado o LP "Deixa-os Poisar". Em 1986 lança os singles "Nunca Mais É Sábado" e "O Puto". Um dos convidados das gravações foi Jorge Palma ao Piano.

Participa no Festival RTP da Canção de 1987 com "É do Stress" que fica em 5º lugar.

Em 1994 lançou o CD "Somos Portugueses" que obteve algum sucesso popular com o tema título.

Depois de uma longa pausa regressou, em Julho de 2004, com o álbum "Dupla Face". O disco inclui uma nova versão de "Não Há Nada P’ra Ninguém" e outros temas como "Eu Vou À Bruxa", "Miúda Triste", "Fiquei Tão Bem" ou "Dupla Face".

Em 2006 foi um dos nomes presentes no concerto comemorativo do programa "Febre de Sábado de Manhã".

DISCOGRAFIA

Não Há Nada P’ra Ninguém (LP, Polygram, 1981)
Não Mata Mas Mói (LP, Polygram, 1982)
Deixa-os Poisar (LP, Discossete, 1986)
Somos Portugueses (CD, Vidisco, 1994)
Dupla Face (CD, Ovação, 2004)

SINGLES

Não Há Nada P’ra Ninguém/Não Te Cures Não (Single, Polygram, 1981)
É P'rá Desgraça (Single, Polygram, 1982)
Que Grande Seca (Single, 1983)
Nunca Mais É Sábado/Amanhã É Um Novo Dia (Single, 1986)
O Puto/Não Sei o Que Se Passa (estou a Ficar Sem Massa) (Single, 1986)
Noites de Lisboa/Chaves do Carro (Versão Disco) (Single, Vidisco, 1995)

COMPILAÇÕES SE

O Melhor de 2 - Dina e Mário Mata (Compilação, Universal, 2001)

NO RASTO DE...

O músico mantém um blog em http://www.prosasquerimam.blogspot.com

sexta-feira, dezembro 26, 2014

Carlos do Carmo

Biografia
Filho de Alfredo de Almeida, livreiro e proprietário da casa de fados O Faia, falecido em 1962, e de sua mulher Lucília do Carmo, conhecida fadista, Carlos cresceu em Lisboa, onde frequentou a Escola Alemã e o Liceu Passos Manuel. Na Suíça fez estudos de Hotelaria e aprendeu línguas estrangeiras. Iniciou a sua carreira artística em 1964, embora tenha gravado o primeiro disco com nove anos.

Ainda em 1964 casou-se com Maria Judite de Sousa Leal, mãe dos seus três filhos, Cila do Carmo, Alfredo do Carmo de Almeida e Gil do Carmo.


Carlos do Carmo (1976)
Representou Portugal no XXI Festival Eurovisão da Canção em 1976, com o tema Flor de Verde Pinho, adaptado do poema de Manuel Alegre. No Festival RTP da Canção desse ano, foi o único intérprete. Nas últimas canções apresentadas estavam temas como Estrela da Tarde de José Carlos Ary dos Santos e música de Fernando Tordo . De entre muitas outras, as suas canções mais conhecidas são Os Putos, Um Homem na Cidade, Canoas do Tejo, O Cacilheiro, Lisboa Menina e Moça, Duas Lágrimas de Orvalho e Bairro Alto.

Realizou numerosas digressões, tendo actuado no Olympia de Paris, na Ópera de Frankfurt, na Ópera de Wiesbaden, no Canecão do Rio de Janeiro ou no Hotel Savoy de Helsínquia. Em Portugal tem sido apresentado na Fundação Calouste Gulbenkian, no Mosteiro dos Jerónimos, no Casino Estoril e Centro Cultural de Belém.

A 4 de Setembro de 1997 foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique. Deve grande parte dos seus êxitos ao duo José Carlos Ary dos Santos / Fernando Tordo entre eles "Lisboa Menina e Moça" e "Estrela da Tarde".


Carlos do Carmo (1976)
Em 2003 ganhou o Prémio José Afonso, então atribuído pela Câmara Municipal da Amadora, na sequência do qual foi publicado o livro Carlos do Carmo, do Fado e do Mundo, uma entrevista biográfica realizada por Viriato Teles. Entre numerosos galardões, foi-lhe ainda atribuído o Globo de Ouro de Mérito e da Excelência, o Prémio Consagração de Carreira, da Sociedade Portuguesa de Autores, a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique e o Prémio Goya para Melhor Canção Original, com o Fado da Saudade, em 2008. A canção faz parte da banda sonora do filme Fados, que concorria à edição de 2008 daqueles que são considerados os óscares espanhóis. No entanto foram levantadas dúvidas sobre a verdadeira autoria deste fado (Público). É ainda cidadão honorário do Rio de Janeiro, membro de honra do Claustro Ibero-Americano das Artes, e recebeu um diploma do Senado de Rhode Island (Estados Unidos) pelo seu contributo para a divulgação da música portuguesa.

Figura também como pioneiro na nova discografia portuguesa devido ao seu disco Um Homem no País, que foi o primeiro CD editado por um artista em Portugal.

José Maria Nóbrega acompanha-o em guitarra há 36 anos.

Em 2014, torna-se, a par de Elisabete Matos[1] , no segundo artista português a ganhar um Grammy, obtido na categoria "Lifetime Achievement" (entregue apenas aos artistas pelo conjunto da obra que produziram ao longo da sua carreira e não devido ao êxito que lograram com determinada canção ou álbum). No mesmo ano, a 19 de novembro, o fadista recebe o Grammy Latino de Carreira no Hollywood MGM de Las Vegas e é homenageado com um vídeo de "Lisboa Menina e Moça" a 35 vozes.[2]

Texto extraído da wikipédia

(Só não inclui neste texto a discografia, porque ficava do tamanho deste blog BMP)

Domingos Camarinha

DOMINGOS AUGUSTO CAMARINHA, nasceu em Lisboa, na freguesia da Graça, em 1915, um bairro onde o fado era cultivado com fervor.
Influenciado pelo pai, que "arranhava" a guitarra, aos oito anos Domingos Camarinha já tocava correcta¬mente o Fado Corrido e, aos 23, tornou-se guitarrista profissional pela mão de Salvador Gomes, sem prejuízo da sua actividade básica de empregado de balcão, que exerceu desde os 11 aos 47 anos de idade.
Apresentando-se pela primeira vez num espectáculo público em 1938, teve ocasião de actuar depois no Retiro da Severa, onde substituiu durante alguns dias Armandinho. A partir de então e até final da sua carreira, actuou em diversos locais, no Café Mondego, Solar da Alegria, Café Latino, Café Vera Cruz, Café Monumental, Café Luso (da Travessa da Queimada), na Adega da Lucília (onde substituiu Carlos Ramos, que então ainda não cantava), n' A Severa, Viela, e, por último, na Lisboa à Noite.
Esteve em Paris onde actuou nas casas típicas Fado (de Clara de Ovar), Au Portugal e Cour du Miracle (de Hélder António).
Entre 1944 e 1948, no Rádio Clube Português teve um programa de guitarradas com Salvador Gomes e Amadeu Ramin. Gravou com Santos Moreira um programa de variações na BBC de Londres. Com Américo Silva gravou uma música, de sua autoria, para um programa de propaganda do Vinho do Porto Offley, que foi transmitido pelas emissoras Rádio Andorra, Rádio Monte Carlo e Rádio Luxemburgo. Participou ainda nos filmes, Amantes do Tejo com Jaime Santos e Santos Moreira, Sangue Toureiro e Fado Corrido com Santos Moreira.
Foi durante quatro anos guitarrista privativo de Fernando Farinha, com quem fez várias deslocações ao estrangeiro.

Espiral editam cd em 2015

O trio Espiral está a gravar o seu primeiro álbum, que será editado pela Sons Vadios em Março de 2015.

A formação composta por Emiliana Silva (violino), Lara Figueiredo (flauta transversal e flautim) e Sara Vidal (harpa celta e guitarra acústica) fará um registo instrumental da designada música celta, com temas tradicionais da Irlanda, Escócia, Bretanha e Galiza.

Durante o próximo mês de Janeiro, decorrerá uma campanha de pré-venda, com benefícios para todos os interessados em adquirir o disco antecipadamente

quinta-feira, dezembro 25, 2014

Toze Santos


The Dirty T-Shirt Band

Hometown: Tallahassee, FL, US
Genres: Other / Rock-southern, indie, classic, progressive / Country-pop, classic, Blues, Funk, Jam Band
Label: Outamoney Studios
Members: Bill Pandolfi and Eric Pfeufer on electric guitar, Miles Creamer on bass and John Kepler on drums.
The band is made up of veteran musicians who have played with a long list of successful local and regional acts. Each has honed his chops in a broad range of venues from the tiniest of clubs to large, outdoor festival stages. Their musical interests are as varied as their career arcs and reflect a blend of influences that can be heard in every performance. Experience and musicianship allow this band to read a crowd quickly and deliver what it wants, so, if you are a fan of live music, the T-Shirts will get you going. If you are a talent buyer, the T-Shirts will deliver a powerful show perfect for a laid back listening audience or ready to energize a club crowd and get them pumped, dancing, and thirsty.

Playlist BMP

Arte & Oficio_Contradiction
Cassapo_Nostalgia
Vasco Balio_Gravata
Nuno Lupi_December Song
Phama - Nao Vou Ca Estar
UHF_Era de noite e levaram
Gritali_Saudades (2004)
Vitor Dias_Raio de Luz
Karpa Koi_Sentidos proibidos
Gritali_Nao consigo compreender
Gritali_Noites
D3O_Coldnt care at all
Nuno Guerreiro_Tento saber
Gritali - Comemoracoes injustificadas
Lisamona_Old Back the rain
ROXIGENIO_Stiff Nicked Obstinated
Ferro & Fogo_Sta_Apolonia
Johnny Johnny_Volto Ja
Manifesto_Aos domingos vou a bola
Ferro & Fogo - Super Homem

The Ramble Riders - Agenda:

-30 de dezembro 2014 em Leiria (Poisson Rock)
-30 janeiro 2015 - Teatro Helena Sá e Costa (Porto)
-31 janeiro 2015 - Teatro Helena Sá e Costa (Porto)

www.therambleriders.com

Miosótis - "Fenómeno transitório"


quarta-feira, dezembro 24, 2014

The Ramble Riders

www.therambleriders.com

Pedro Abrunhosa - "O rei do bairro alto"


Tom Waits


Musica nova dos Azeitonas

DISPONÍVEL A PARTIR DE HOJE NAS PLATAFORMAS DIGITAIS

OS AZEITONAS EDITAM HOJE SINGLE “NOS DESENHOS ANIMADOS (NUNCA ACABA MAL)” AO VIVO

Tema é a primeira amostra do CD e DVD ao vivo no Coliseu com edição prevista em Março de 2015.

Ouvir em http://www.youtube.com/watch?v=Z22uZNlQFgc&list=UUgxLf7Ia5lA1jRvPKLdffcw



“Nos Desenhos Animados (nunca acaba mal)”, primeiro single de apresentação do CD e DVD ao vivo d’ Os Azeitonas, gravado no Coliseu do Porto, está disponível a partir de hoje nas plataformas digitais (Meo Music, iTunes, Spotify,..). O novo single, interpretado por Nena, está disponível nas rádios desde 25 de Novembro, dia em que foi disponibilizado o respectivo videoclip no canal oficial do grupo.

O CD e DVD ao vivo têm edição prevista para Março de 2015.

A edição de “Nos Desenhos Animados (nunca acaba mal)” encerra um ano de ouro para Os Azeitonas que realizaram em 2014 a maior digressão de sempre do grupo.

Disco e concertos The Ramble Riders

Acompanhado da apresentação ao vivo no Teatro Helena Sá Costa, nos dias 30 e 31, serão duas noites de Rock e Blues com nova música e novo álbum!

A pré-reserva de bilhetes ou do novo disco podem ser feitas aqui:
info@therambleriders.com
913 362 826

segunda-feira, dezembro 22, 2014

domingo, dezembro 21, 2014

The StoneWolf Band - "Fear Less"

Tracks
1. Calling My People
2. Gotta Bounce
3. Good Riddance
4. Texas
5. Shotgun
6. Get Right
7. Interlude
8. My Ukulele
9. Papaya Tree
10. Follow Me (O.D. Version)
11. Waster
12. A Crow in Mexico
13. Rival 2.0
Bonus Track:
14. My Ukulele (Band Mix)

Produced by: Paulo Baiao
Co Produced by: Ricardo Lobo
Songs & Lyrics by: Ricardo Lobo
Mastered by: Harvey Birrell
Artwork: Tamara Alves

The Dirty T-Shirt Band no Facebook

https://www.facebook.com/dirtytshirtband?ref=ts&fref=ts

Videos, musicas, fotos de concertos e...um fã especial: Éric Johnson!
Visitem.

sábado, dezembro 20, 2014

John Lee Hooker & Carlos Santana - "Chill out"


The Dirty T-Shirt Band no Facebook

https://www.facebook.com/dirtytshirtband?ref=ts&fref=ts

O facebook The Dirty T-Shirt Band com mensagens, comentários, musica, videos...e...com Éric Johnson. Um Fã deles!

Pedro Abrunhosa - "Entre a espada e a parede"


Hoje foi mesmo "entre a espada e a parede"! Estive sempre de um lado para o outro

e a ouvir este tema na minha imaginação. Mas "entre a espada e a parede" de ter muito que fazer.

E por curiosidade na rua de santa Catarina no meio de tanta gente por estas alturas passou por mim o Pedro Abrunhosa.
Aqui fica este excelente tema!

From Australia: Great music video: Marc Leon


quinta-feira, dezembro 18, 2014

Biografia do musico Português Luis Jardim

Luís Jardim estudou em várias escolas do Funchal, como o Externato Nun’Álvares e o o Lisbonense. Foi para Inglaterra estudar Administração Comercial. Em Inglaterra editou sob o pseudónimo de Rouge, foi entre 1973 e 1977, que Luís Jardim com esta banda chegou a vender cerca de quatro milhões de discos. O último albúm que faz para para a CBS é editado em 1981. A sua maneira de tocar e forma de pensar latina introduzem uma onda inovadora na Inglaterra e permitem-lhe a abertura de portas para fazer discos e “tournées” com cantores conhecidos.

Trabalhou como o conhecido produtor Trevor Horn em discos como The Lexicon Of Love dos ABC, Welcome To The Pleasure Dome dos FGTH ou Slave to the Rhythm de Grace Jones'. Colaborou com os Asia nos discos Arena e Aura. Tom Jones, Leo Sayer, David Bowie e Rolling Stones são exemplos de cantores e bandas com quem Jardim começa a trabalhar em 1969.

Foi produtor de uma das musicas mais conhecidas do mundo da cantora Cher, a musica Believe, que fez sucesso em todo o mundo.

Depois de trabalhar com os “grandes”, chega a fazer “tournées” de um ano com Tina Turner, George Michael, Rod Stewart, etc. Luís Jardim toca vários instrumentos. E os que o tornam mais conhecido são a bateria, baixo, percussão, guitarras.

Em 2004 tocou na festa de homenagem ao produtor Trevor Horn.

Foi director musical de Diana Ross, Mariah Carey, Celine Dion, Elton John, Julio Iglesias, Tom Jones, James Ingram, Al Jarreau, Luther Vandross, Cindy Lauper, Michael Bolton, Darryl Hall, Gloria Estefan, Barry Manilow, Michael Jackson, entre outros[2] .

Portugal
Fez parte dos Demónios Negros ainda nos anos 60. Colaborou com a cantora Ana e com Midus[3] [4] . Produziu discos de Rui Veloso, João Pedro Pais, entre outros.

Jardim fez parte do júri das duas primeiras séries do concurso Ídolos da SIC, foi presidente do júri nos programas da TVI Uma Canção Para Ti e, presentemente, de A Tua Cara Não Me É Estranha. [5] .

ColaboraçõesEditar

Colaborou com artistas como Paul McCartney, Billy Idol, The Rolling Stones, They Might Be Giants, Clinks Turner, Mike Batt, David Bowie, Cher, Grace Jones, Björk, Duran Duran, Robbie Williams, Gareth Gates, Tom Jones, Alejandro Sanz, Nina Hagen, Eros Ramazzoti, Diana Ross, João Paulo Rodrigues,Tony Banks[2] .

...........

Texto extraído da Wikipédia

Gritali no "Soundclick"

www.soundclick.com/gritali

Outros Links:

www.gritali.blogs.sapo.pt
www.reverbnation.com/gritali


Marc Leon

Um grande musico Australiano e meu amigo no Reverbnation.

Visitem a pagina de Marc Leon em: www.reverbnation.com/marcleon

quarta-feira, dezembro 17, 2014

Projeto "Poemo'Co(r)po dia 18 de dezembro na Casa Madeira Norte no Porto pelas 21:30h

Uma degustação saborosa pela sensualidade da poesia dançante sobre o burlesco corpo das palavras. Dança de palavras sensualmente dançantes no Corpo Copo de mulher na voz embebida nos olhos da sedução, ao sabor da musicalidade sedutora de cordas de violino a dar o compasso do baile das palavras sobre o efeito mágico da clarinete.

O projecto Poemó’Co(R)po nasce em 2014 na paixão comum de Vitor Hugo Moreira, pela poesia escrita e dita, de Delphine Armand pela dança Burlesca e lençol acrobático, aliando mais tarde Daniela Bastos com a sonoridade de violino e Sylvain Terech nas notas do clarinete.

Uma viagem multidimensional pelo mundo e pelas vozes da poesia, num palco neutro, em vozes dentro de mercúrios dos improvisos desgarrados libertinos bebendo a poesia no copo das palavras, acompanhada pela sensualidade transversal além dos olhos sedutores e apaixonados pelo erotismo místico se embeleza as palavras oralmente anunciadas.

Com poesia de autores portugueses e estrangeiros, desde Álvaro de Campos, José Régio, Florbela Espanca, Joaquim Madeira, Vitor Hugo Moreira, Dominik Villeneuve, Álvaro Silva e Noir Desir.


Um projecto de:
- Daniela Bastos - violino
- Delphine Armand - dança burlesca
- Vitor Hugo Moreira - poesia
- Sylvain Terech - clarinete

18 de Dezembro
21:30h
Casa Madeira Norte
Rua da Torrinha nº 55 porto

Novas de Mike Bramble

"O músico de Leiria Mike Bramble escreve e produz canções onde mistura a melodia do Pop com o aroma do Blues/Jazz e a textura do Rock, fazendo com que cada música tenha um diferente sabor.
Já tocou um pouco por todo o país em bares, cine-teatros, associações culturais e lojas Fnac num formato acústico apenas com voz e guitarra. Fora do país, chamou à atenção através das redes sociais e das web-rádios, em especial com o tema "Is It You" com o qual atingiu o 1º. lugar na categoria de Soul no mês de Agosto de 2011 no site americano Ourstage.com. Terminou a 1ª. edição do Concurso Conte Connosco, uma iniciativa do banco Santander Totta, em 4.º lugar com o tema "Maneiras de Ser", e foi finalista em diversos concursos de bandas nacionais.
Mike Bramble, João Loureiro, Hugo Santos e Mike Gomes estão a trabalhar na composição de novos temas e novos arranjos que disponibilizam ao público frequentemente online."

www.mikebramble.com

Rick Chain

Tudo começou em 1989! depois de dezenas de discos editados com os seus outros projetos, e centenas de concertos em território nacional e internacional, chegou finalmente a hora de assumir o alter-ego RICK CHAIN, do prolífico musico Ricardo Correia, ex-líder dos Twentyinchburial, em conjunto com o produtor Fernando Matias (Moonspell, Bizarra Locomotiva) deram vida a Voyager, o primeiro full-lenght da banda, uma mistura de rock alternativo, “AOR” e texturas ambientais com teclados contagiantes e com um estilo incontornável nomeadamente nas harmonias de guitarra, fazendo dele um dos mais underrated músico/songwritter em Portugal. 25 Anos de carreira espelhados nas 10 canções incluídas em Voyager, que certamente não vão deixar indiferentes os ouvintes, e amantes de Rock Alternativo e Hard Rock. https://rickchainmusic.bandcamp.com/ https://www.facebook.com/rickchainmusic http://rickchain.bigcartel.com/ http://youtube.rickchain


Heavenwood - "The Juggler" (2014)


segunda-feira, dezembro 15, 2014

Sessão "Conta-me Estórias" no Olimpo bar Café na Rua da Alegria (Porto)

Ciclo de contadores de estórias, de vida, infantis, imaginárias, de bolinha vermelha ou de pura literatura.

Por aqui já passaram nomes como Sofia Freitas, Susana Correia, Aida Guiterrez, Luís Beirão, Reinaldo Santos,Thomas Bakk, Ilva Otero, Georgina Ribeiro e Teresa Santos.

A próxima sessão realiza-se já dia 18 de Dezembro, pelas 22:30h, com convidado de honra o Dom Onofre Varela. Actor, Cartonista, escritor e muitas outras coisas mais, abrilhantará uma noite de partilha e de harmonia.

Olimpo Bar Café
Rua da Alegria, nº26 Porto
(1,50€ de consumo mínimo obrigatório)

--
Vitor Moreira
tlm: 964231857
felizcomloucura.blogspot.com

domingo, dezembro 14, 2014

Biografia de Armando Caldas (AC?)

Biografia de um dos músicos mais completos em Portugal:
(Extraído do facebook do Músico e Médico)

Armando Caldas re-intrepreta os seus anteriores projectos com este novo trabalho. "20 Anos em 20 Canções" é uma escolha dos temas mais significativos de duas décadas a fazer música. Todos os temas - música e letra - são da sua autoria e neste trabalho, para além de vocalista, é também o executante de todo o instrumental (bateria, baixo, teclados, guitarra ritmo, solo e guitarra portuguesa). Dá continuidade ao projecto AC? que procurava procura cruzar as malhas de guitarra pop-rock com a batida tecno, ao qual no último trabalho já associou o som da Guitarra Portuguesa. Por sua vez este surgiu em 1999 na sequência dos X -26.

Editou anteriormente um CD conjunto AC?/X26 em 1999, um segundo CD "MMI (2001)" em 2001 e um terceiro CD "MM3 (2003)". Pertenceu já grupos Viana "Amantes de Maria" (baterista) e "Destino Disse " (baixista e vocalista) de Coimbra e ao grupo "TV Rural" de Viana do Castelo . Com o fim deste último grupo iniciou um projecto individual - "projecto TV Rural" - tendo posteriormente alterado o nome para projecto "X-26" no qual era baixista. Com o fim deste projecto deu início a AC?, com o qual editou os 3 CD referidos

Paralelamente à música desenvolve uma carreira literária com a edição simultânea de um livro por cada CD, descrita na página - Armando Emílio da Costa Caldas ; Tem disponível um álbum de fotografias virtual em que reconstrói a cronologia dos seus ascendentes em Ramos e Raízes

O contacto pode ser feito através da seguinte morada : Armando Caldas, Quinta do Ribeiro, lote 104 Frossos 4700-150 Braga ou telemóvel 919855999ou e-mail: aecaldas@hotmail.com

Descrição
Armando Caldas re-intrepreta os seus anteriores projectos com este novo trabalho. "20 Anos em 20 Canções" é uma escolha dos temas mais significativos de duas décadas a fazer música. Todos os temas - música e letra - são da sua autoria e neste trabalho, para além de vocalista, é também o executante de todo o instrumental (bateria, baixo, teclados, guitarra ritmo, solo e guitarra portuguesa). Dá continuidade ao projecto AC? que procurava procura cruzar as malhas de guitarra pop-rock com a batida tecno, ao qual no último trabalho já associou o som da Guitarra Portuguesa. Por sua vez este surgiu em 1999 na sequência dos X -26.

Editou anteriormente um CD conjunto AC?/X26 em 1999, um segundo CD "MMI (2001)" em 2001 e um terceiro CD "MM3 (2003)". Pertenceu já grupos Viana "Amantes de Maria" (baterista) e "Destino Disse " (baixista e vocalista) de Coimbra e ao grupo "TV Rural" de Viana do Castelo . Com o fim deste último grupo iniciou um projecto individual - "projecto TV Rural" - tendo posteriormente alterado o nome para projecto "X-26" no qual era baixista. Com o fim deste projecto deu início a AC?, com o qual editou os 3 CD referidos

Paralelamente à música desenvolve uma carreira literária com a edição simultânea de um livro por cada CD

O Martim apresenta o teledisco "Razão da distração"

O MARTIM APRESENTA

"RAZÃO DE DISTRAÇÃO" O TELEDISCO

E agora o tão aguardado teledisco de «Razão da Distração», novo single de O Martim - confessionário pop de Martim Torres. O teledisco é lançado duas semanas após a chegada do single chega às principais plataformas de streaming e lojas online.

Filmado por Hugo Macedo e idealizado pelo Martim, o teledisco conta com a participação e performance do actor Inglês Joseph MacNab - artista que o Martim conheceu numa das suas viagens pelo mundo em trabalho, mais precisamente em Praga, algures durante o verão de 2014.

«Razão da Distração», que conta com participação e produção de Fred Campos Costa (AKA Cut Slack) e com a habitual presença de David Pires nas baterias, é o tema de avanço de «Horas Para Gastar Vol. I», novo longa-duração de O Martim, com lançamento agendado para Janeiro de 2015. Este álbum, que contará com diversos convidados especiais para além de Cut Slack e David Pires, sucede ao disco de estreia, «Em Banho Maria» (Azáfama, 2013).

Isaura edita "Useless"

A cantora portuguesa Isaura edita hoje o single de estreia “Useless”, tema que co-produzido pelos produtores Raez e Cut Slack. O videoclip do tema também é lançado hoje.


 “Useless” é uma música com uma base declaradamente electrónica, com uma composição emocional que começou por surgir numa guitarra, mais naif, e que acabou por ser transposta para uma base instrumental inspirada nos anos 80.

Há um mood ingénuo, genuíno aqui, mais apontado para ambientes sóbrios, mas mesmo assim com cor.

Este é o primeiro avanço da cantora, que faz antever novos temas e novas colaborações para 2015. O videoclip oficial de "Useless" sairá ainda em 2014.



Nota pessoal sobre a Useless:

À procura do balanço certo entre a simplicidade instrumental e a complexidade e profundidade das letras que escrevo, dedico o que faço aos sons urbanos, electrónicos e pop.

Os temas que produzo são o que tenho de mais individual; ao mesmo tempo são o que menos me pertence, algo que não explico e que nem sempre quero ver compreendido. São o que sinto, sem filtros ou medo, um acto de coragem. São lições valiosas que talvez sirvam a alguém. São uma forma de explicar quem sou sem espaço para ser questionada, como se quem as escutasse soubesse exatamente o que quero dizer.

A música “Useless” tem uma base declaradamente electrónica, com uma composição emocional, que começou por surgir numa guitarra, mais naife, e que acabou por ser transposta para uma base instrumental inspirada nos anos 80. Há um mood ingénuo, mas genuíno, aqui. Um tema que sai em pleno Inverno, mas um Inverno que não é cinzento, que tem pequenos rasgos de cor.

Musica nova dos Darko

Crying Out é o novo single dos DARKO, em dueto com a estreante Iolanda Costa.
E sai em 2015 o novo CD.

Darko são: Zé Manel, Miguel Amorim e Jorge Oliveira

www.darkoonline.com

CD/Compilação "T(H)REE" reune bandas Portuguesas e asiáticas

Dia 17 de Dezembro vai acontecer em Lisboa, no Museu do Oriente, a festa de lançamento de uma mega compilação de três cds, que junta mais de 60 músicos, entre artistas portugueses e artistas asiáticos: o T(H)REE.

Com nomes que vão de Mão Morta, Telectu, Noiserv, Filho da Mãe, Tó Trips, Vicente Palma, Black Bombaim, Gil Dionísio, Tiago Sousa ou Bizarra Locomotiva a artistas asiáticos como Tetuzi Akiyama, Toshiji Mikawa, Hiroshi Hasegawa, Soo Jung Kae, 34423, Tora Brava, Doddodo, Sachiko Fukuoka, Yukari, Gamin ou Ninano Nanda!

E em concerto vão estar:
TENGGER (kr/jp) + DODDODO (jp) + GIL DIONÍSIO (pt)
SIXTH TONGUE (jp) + GAMIN (kr) + FILHO DA MÃE (pt)

+info sobre o evento em www.facebook.com/events/323160524542895


Entretanto o álbum já está disponível tanto nas lojas fnac como online em http://www.fnac.pt/Varios-Portuguesa-T-h-ree-3CD-CD-Album/a844117

800 Gondomar com cd/ep

Ouçam o EP dos 800 Gondomar em:

http://800gondomar.bandcamp.com/releases


https://www.facebook.com/oitocentosgondomar

Ana Stilwell

Para celebrar a quadra natalícia o MEO MUSIC convidou mais de 40 artistas portugueses a partilharem com os fãs as suas playlists de Natal.

Ana Stilwell foi uma das convidadas e, além de criar a sua playlist, presenteou também os seguidores, com uma interpretação delicada e com a sonoridade que lhe é característica, uma versão exclusiva do tema “Happy Xmas (War is Over)” de John Lennon.

O resultado está disponível, em exclusivo, no canal do MEO.



O álbum de originais da Ana Stilwell, “Take My Coat”, encontra-se disponível no iTunes.


Para espetáculos contacte:
booking@blimrecords.com / +351 211 923 804

domingo, dezembro 07, 2014

Festival de Jazz de Montreal (Canadá) 2015

Em 2015 a edição do festival de Montreal decorrerá entre os dias 26 de junho e 5 de julho.

Alguns nomes já confirmados:

CONCERT SERIES
Presale 2015
Friday, June 26, 2015 at 6:00 PM  
BEBEL GILBERTO
Club Soda
$31.31, including fees ($36, taxes included)


 
Saturday, June 27, 2015 at 8:00 PM  
THE STANLEY CLARKE BAND
Théâtre Maisonneuve - PdA
From $44.36 to $52.62 including fees (From $51 to $60.50, taxes included)

 
Saturday, June 27, 2015 at 8:30 PM  
STEVEN WILSON
Métropolis
From $41.36 to $58.45, including fees (From $47.55 to $67.20, taxes included)

 
Sunday, June 28, 2015 at 8:00 PM  
THE BAD PLUS AVEC JOSHUA REDMAN
Théâtre Maisonneuve - PdA
From $40.88 to $50.88 including fees (From $47 to $58.50, taxes included)


Tuesday, June 30, 2015 at 8:30 PM  
SNARKY PUPPY
Métropolis
From $35.88, including fees (41.25, taxes included)


Tuesday, June 30, 2015 at 10:30 PM  
RICHARD GALLIANO, DUO AVEC SYLVAIN LUC. HOMMAGE À ÉDITH PIAF
Gesù — Centre de créativité
$51.62, including fees ($59.35, taxes included)

 
Thursday, July 2, 2015 at 7:00 PM  
JESSE COOK
Maison symphonique de Montréal
From $52.62 to $63.92 including fees (From $60.50 to $73.50 taxes included)

 
Friday, July 3, 2015 at 8:00 PM  
DEE DEE BRIDGEWATER WITH IRVIN MAYFIELD AND THE NEW ORLEANS JAZZ ORCHESTRA
Théâtre Maisonneuve - PdA
From $54.36 to $61.32 including fees (From $62.50 to $70.50 taxes included)


Friday, July 3, 2015 at 8:00 PM  
ELIANE ELIAS, MADE IN BRAZIL WITH MARC JOHNSON, RUBENS DE LA CORTE AND RAFAEL BARATA
Monument-National
From $37.31 to $45.14, including fees (From $42.90 to $51.90, taxes included)

www.montrealjazzfest.com

sábado, dezembro 06, 2014

Norberto Lobo & Joao Lobo Sexteto ao vivo em Coimbra dia 16 de dezembro

NORBERTO LOBO E JOÃO LOBO SEXTETO AO VIVO NO SALÃO BRAZIL, COIMBRA
Terça, 16 de Dezembro, 22h00


A Norberto Lobo e João Lobo junta-se um quarteto de nomes firmados, fundamentalmente no campo do jazz, que os acompanhará em alguns - poucos - concertos exclusivos em Portugal

Norberto Lobo & João Lobo são cúmplices musicais de longa data, tendo editado o seu álbum de estreia ‘Mogul de Jade’ em 2013 na Mbari. O disco e o seu espectáculo ao vivo tem angariado entusiasmo genuíno graças ao lirismo patenteado do estilo de guitarra do Norberto, aqui em eléctrica, e o trabalho tonal singular e texturalmente rico e diverso do baterista do campo do jazz João Lobo.

Norberto Lobo é um talento ímpar na música portuguesa e os motivos são evidentes: uma abordagem completamente nova e pessoal à guitarra, em que mistura a herança da música tradicional com sonoridades do jazz, do blues e da world music, sem nunca se comprometer com qualquer destes estilos e fiel apenas à sua inspiração. Misto de improvisação e composição, as suas melodias seduzem frequentemente pelo misticismo que exsudam (principalmente nas atuações ao vivo, onde contactamos de forma mais imediata com a sua verdadeira essência), transfigurando a sua figura franzina num xamã dotado de poderes ocultos e acesso a verdades há muito arredadas da nossa perceção.

A recente colaboração com o baterista João Lobo não é certamente alheia. Amigo de longa data do clã Lobo, tendo já gravado o álbum Norman com Norberto e o seu irmão Manuel, João Lobo é atualmente um baterista jazz de qualidade reconhecida pelos grandes vultos deste estilo musical, com quem já colaborou, como Enrico Rava ou Carlos Bica. Tal como Norberto Lobo, é dono de um estilo dotado de enorme liberdade, difícil de rotular e por isso maleável e facilmente adaptável a qualquer melodia.

guitarra acústica, guitarra elétrica, baixo elétrico: Norberto Lobo
bateria: João Lobo
Fender Rhodes, piano: Giovanni di Domenico
violino, trompete: Ananta Roosens
clarinete, clarinete baixo: Jordi Grognard
voz, eletrónica: Lynn Cassiers

Quinta do Bill ao vivo em Coimbra ma passagem de ano

Quinta do Bill | Concerto de final de ano

31 Dezembro | Praça do Comercio | Coimbra


Em 2014 a banda comemorou os 20 anos do disco "Os Filhos da Nação".

Para cada concerto levaram temas que fazem parte do quotidiano dos portugueses, alguns deles que percorrem gerações e fazem parte da história de música em Portugal.

A digressão "Siga a Festa - 2014" levou o folk-rock da Quinta do Bill a todo o pais transformando os concertos numa enorme festa colectiva.

Para encerrar a tour a banda volta este ano a escolher o dia 31 de Dezembro.

No ano passado a banda brindou o inicio do novo ano no Porto num concerto para 100 mil pessoas.

A 31 de Dezembro de 2014 encerram a digressão deste ano numa cidade que desde sempre os acolheu.

Coimbra recebe a Quinta do Bill para um grande concerto de final de ano.
31 de Dezembro - 00:10h - Praça do Comércio

Apresentação do livro biográfico de Victor Gomes, um dos maiores de sempre do Rock feito em Portugal

Biblioteca Municipal de Alcobaça
Com a presença da autora e do próprio Victor Gomes
Sábado, 6 de Dezembro 2014 » 16 horas
ENTRADA LIVRE



"JUNTOS OUTRA VEZ"
Biografia autorizada de Victor Gomes”, escrito por Ondina Pires, é uma obra que fala sobre a história de um outro Portugal, ainda desconhecido pela maioria e à espera de ser desbravado por leitores nacionais e estrangeiros. Sempre se falou superficialmente sobre as décadas de quarenta a setenta em Portugal, em certa medida devido às vicissitudes políticas e sociais inerentes ao regime político dessa época: ambientes e ambiências, vivências à flor-da-pele que ficaram cristalizadas no tempo e que estão à espera de serem redescobertas."

Victor Gomes, lenda viva do rock'n roll, foi um dos artistas com mais sucesso em Portugal nos anos 60. Apelidado por Gene Vincent português pelo seu visual de cabedal e luvas pretas, e acompanhado pelo conjunto Gatos Negros, os seus concertos eram marcados pela sua rebeldia e irreverência levando o público ao êxtase ao ponto de as raparigas gritarem pelo seu nome, como se dos Beatles ou Elvis Presley se tratasse.


/////////////////////////////////////////////////////
O ARTISTA
“Ao longo dos inúmeros espetáculos dos “Gatos Negros”, os adolescentes afoitos invadiam o palco e desnudavam o Victor arrancando pedaços da roupa de cabedal. Ao fim de algum tempo, as raparigas passariam a fazer o mesmo que o rapazes. Com os bocaditos de cabedal nas mãos tinham a grande lata de ir pedir autógrafos ao Victor, como se aquele material negro se prestasse a ser escrito. Claro que era o Vasco Morgado que financiava as correntes e o cabedal.” (in Juntos Outra Vez)


/////////////////////////////////////////////////////
A AUTORA:
Ondina Pires nasceu em Lisboa, em 1961. Esteve ligada à cena musical rock como baterista, compositora, vocalista e performer (Pop dell’ Arte e The GLS) e, às artes plásticas ao longo dos anos 80/90 até 2008. Desde 2002 que tem colaborado na revista “Umbigo”: artigos de opinião e entrevistas (estética e culturas alternativas). Em 2009 editou o livrou Scorpio Rising: Transgressão Juvenil, Anjos do Inferno e Cinema de Vanguarda, pelas editoras CCC/Thisco, a partir da sua tese de Mestrado em Estudos Americanos e que teve como corpus de análise o filme de Kenneth Anger, Scorpio Rising. No prelo mais dois livros de cariz cultural e estético.


Mais infos:
gaz.contact@gmail.com
https://www.facebook.com/events/313476172193467/


--

GAZ PRODUÇOES
Apartado 77 - 2460 Alcobaca //// PORTUGAL
phone: +351 914 335 551
http://www.myspace.com/gazproducoes
http:/www.facebook.com/gaz.pt

Oquestrada - Concerto de 6Dezembro no Casino da Póvoa adiado para 2015

Oquestrada

Concerto de 6 Dezembro no Casino da Póvoa

Adiado para 2015

Por motivos logísticos da produção o concerto dos Oquestrada previsto para o próximo dia 6 de Dezembro no Casino da Póvoa será adiado para 2015 em data a divulgar brevemente.

Eskizofrenicos no Armazém do Chá (Porto)

Com 8 anos de estrada, os Eskizofrénicos ganharam a notoriedade de serem uma das bandas mais infames dos tempos recentes da música Portuguesa.

 Com um histórico de concertos marcados por adrenalina pura, sangue, fogo, mangueiras de incêndio, vidro, monitores de computador partidos e, sobretudo, muito Rock’n’Roll, os Eskizofrénicos podem não estar na abertura dos telejornais, nem nos tópicos mais comentados no Twitter, mas as suas performances são uma experiência inesquecível para aqueles que os presenciam.

Agora, depois de um hiato de um ano, e com um novo baterista na formação, voltam 6 de Dezembro ao Porto para espalhar a sua música alucinada e aguerrida no Armazém do Chá. Serão acompanhados por uma banda Tributo a Censurados, a mítica banda do ícone do
Punk Português João Ribas, mais tarde líder e fundador dos Tara Perdida, falecido este ano.

Armazém do Chá, 6 de Dezembro de 2014
Abertura de Portas: 22:00
Preço: 3 euros (com um fino de oferta)

MELECH MECHAYA ACTUAM NA CASA DA MÚSICA E NO CCB

CASA DA MÚSICA

Data: 17 de Janeiro (sábado) 22h00


CENTRO CULTURAL DE BELÉM - CCBeat

Data: 23 de Janeiro (sexta-feira) 21h00



Os Melech Mechaya farão dois importantes espectáculos no Porto e em Lisboa,
tendo como mote o novo disco “Gente Estranha”.

O quinteto integra o cartaz do festival CCBeat, dia 23 de Janeiro em Lisboa,
e regressa ao Porto volvidos quase 4 anos, com um importante concerto dia 17
de Janeiro às 22h00 na Casa da Música.

Este espectáculo foi já apresentado na Alemanha, Espanha, Áustria,
Finlândia, Suécia, e Bélgica, e foca-se no mais recente trabalho do grupo,
que atingiu o 3º lugar no top iTunes PT de Músicas do Mundo.

O primeiro single do álbum, o tema-título “Gente Estranha” cantado no disco
por Jazzafari, tem letra de Pedro da Silva Martins (Deolinda) e alcançou o
14º lugar no Blue Top da MTV.

O segundo single será lançado no início de Janeiro.





Considerados “cinco músicos fora de série” por Eelco Schilder, da
prestigiada revista alemã FolkWorld Magazine, os Melech Mechaya são já uma
das bandas mais internacionais do nosso país. Com meio milhão de
visualizações no YouTube, o grupo actuou mais de 250 vezes em 10 países de 3
continentes e trabalhou com artistas premiados como Frank London, Mísia,
Amélia Muge, Pedro da Silva Martins (Deolinda) ou a companhia de teatro
catalã La Fura Dels Baus.

O disco de 2011 “Aqui Em Baixo Tudo É Simples” figurou na lista de melhores
discos do ano da revista Blitz, esteve várias semanas nos topes de rádios
dos EUA, Espanha e Portugal, e foi nomeado para Melhor Disco Instrumental
nos Independent Music Awards.



· CASA DA MÚSICA – 17/12/2014 – 22h00

Preço dos bilhetes: 10,00€ (preço único)

À venda na Casa da Música:
www.casadamusica.com/pt/agenda/2015/01/17-janeiro-2015-melech-mechaya/39532?
lang=pt#tab=0
haya/39532?lang=pt#tab=0>

      Promotor: Desprazer Lda

· CENTRO CULTURAL DE BELÉM – 23/12/2014 – 21h30

      Preço dos bilhetes: Plateia: 13,50€ | Laterais: 11,00€

      À venda nos locais habituais: www.ticketline.sapo.pt

Descontos: Cartão Amigo CCB (20%; 30%); < 25 Anos (25%); > 65 Anos (25%);
Grupos de 10 a 50 pessoas (20%); Cartão FNAC (5%); Profissionais e
estudantes de espectáculos (5,00€) – válido apenas nas laterais.

  Promotor: Centro Cultural de Belém

Melech Mechaya são:

João Graça - violino

Miguel Veríssimo- clarinete

André Santos - guitarra

João Novais - contrabaixo

Francisco Caiado – percussão






Melech Mechaya
+351 968 947 230 | +351 964 389 756
  www.melechmechaya.com

sexta-feira, dezembro 05, 2014

The Harry Munk Project

Esta banda Britânica estava na semana passada em 18 no reverbnation a nível de todos os géneros!
E obra!

www.reverbnation.com/theharrymunkproject

domingo, novembro 30, 2014

Helena Sá e Costa

Helena Sá e Costa

Helena Moreira de Sá e Costa, (26 de Maio de 1913 — 8 de Janeiro de 2006), foi uma pianista, concertista e professora, nascida no Porto[1] .

Neta de Bernardo Valentim Moreira de Sá (1853-1924)[2] , fundador do Conservatório de Música do Porto e do Orpheon Portuense, filha da pianista Leonilda Moreira de Sá e Costa (1882-1964) e do pianista e compositor Luís Ferreira da Costa (1879-1960), concluiu o curso de Piano no Conservatório Nacional de Lisboa com 20 valores, tendo sido aluna de seus pais e de Mestre Vianna da Motta.

Obteve o prémio Beethoven e o da Emissora Nacional em 1943. Estudou ainda com Alfred Cortot e Edwin Fischer, com o qual emparceirou em 40 concertos nas principais cidades da Europa, tocando os concertos a 2, 3 e 4 pianos de J. S. Bach.

A sua actividade de concertista levou-a inúmeras vezes a Espanha, França, Inglaterra, Alemanha, Áustria, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Suíça, Hungria, Itália, Estados Unidos da América, Canadá, Brasil, Angola e Moçambique. Colaborou com todos os chefes de orquestra portugueses e com outros de grande nomeada, como os maestros Ernest Ansermet, Igor Markevitch, Paul Klecki, Swarowky, etc.

De entre os artistas com quem colaborou em concerto destacam-se Pierre Fournier, Maurice Gendron, Sandor Végh, Arthur Grumiaux, Janos Starker, L. Hoelscher, Ruggiero Ricci, Teresa Stich-Randall, Rita Gorr, Zara Nelsova, etc.

Com a sua irmã, a violoncelista Madalena Moreira de Sá e Costa (1915-), formou um duo de notável projecção. Ainda com a sua irmã e com o violinista Henri Mouton formou o “Trio Portugália” a quem o País deve a audição de um grande reportório musical.

Professora dos Conservatórios de Lisboa e Porto, a sua acção pedagógica tem um relevo especial, aliás reconhecido internacionalmente através de convites para a regência de cursos, entre outros, em Cascais, Espinho, Estoril, Salzburgo (Áustria), Gunsbach (Centro Albert Schweitzer, na Alsácia, França), Suíça, Itália, Inglaterra, Alemanha, Canadá e Estados Unidos da América.

Alunos seus destacam-se no corpo docente de praticamente todos os Conservatórios portugueses e ainda no Brasil, Alemanha, Espanha, Suíça, Austria, etc.

Grande parte dos pianistas actualmente activos no País dela receberam os ensinamentos. Pianistas de países como o Japão, Estados Unidos, Canadá, Brasil, Espanha, procuraram-na para receberem as suas lições.

O seu nome contou-se entre os dos virtuosos participantes em famosos festivais, como os de Estrasburgo, Wiesbaden, Haarlem, Prades, Gulbenkian, Maiorca, Costa do Sol, Sintra, Espinho, Costa Verde, etc.

O seu prestígio incluiu-a em júris de concursos internacionais como os de Berlim, Berna, Vianna da Motta, Palma de Maiorca, Canadá, Maria Callas (Atenas), Luís Costa (Porto) e nacionais, como os da Covilhã, Juventude Musical, João Arroyo, etc.

De entre a sua discografia sobressai a gravação integral do 1º caderno do “Cravo Bem Temperado” de J. S. Bach; e ainda “Concerto nº 4” de Beethoven e “J. S. Bach Live Recording” (Porto 2001), nomeadamente.

Na Escola Superior de Música, do Instituto Politécnico do Porto, foi Presidente da Comissão Instaladora e Presidente do Conselho Científico.

Foi agraciada com os prémios Moreira de Sá (1939) e Beethoven instituído por Vianna da Motta (1937); o Grau de Comendador da Ordem de Santiago de Espada (1982), o Grau de “Grande-Oficial da Ordem de Sant'Iago da Espada, em 2001; e as medalhas de Mérito da Cidade do Porto (1983), da Secretaria de Estado da Cultura (1989) e o Prémio Almada (2000).

Índice
Gravações
Solo
Trio Portugália
Concertos
Bibliografia
Referências
GravaçõesEditar
Solo
"7 Estudos, Op. 18" de Fernando Corrêa de Oliveira - LP Parnaso, 962-B (1962)
"Variações, Op. 10" de Fernando Corrêa de Oliveira - LP Parnaso, 962-B (1962)
"O Príncipe do Cavalo Branco, Op. 6" de Fernando Corrêa de Oliveira - LP Parnaso, 962-C (1962)
"50 Peças para os 5 Dedos, Op. 7" de Fernando Corrêa de Oliveira - EP Parnaso, 965-E (1965)
Trio Portugália
"Trio, Op. 17" de Fernando Corrêa de Oliveira - LP Parnaso, 962-B (1962)
Concertos
"Concertino para Piano" de Fernando Lopes-Graça - Portugalsom/Strauss, SP 4129 (1984/1997)
"Concerto Nº 4 em Sol Maior Op. 58" de Ludwig van Beethoven - Portugalsom/Strauss, SP 4238 (1999)
"Concerto em Si Bemol" de Armando José Fernandes - Portugalsom/Strauss, SP 4238 (1999)
BibliografiaEditar
Filipe Pires, "Helena Costa - tradição e renovação", Fundação Eng.º António de Almeida, 1996
Helena Sá e Costa, "Uma vida em concerto - Memórias", Campo das Letras / Casa da Música, Porto 2001

Extraído da Wikipedia

Fernando Girão

Nasceu em São Paulo filho da cantora brasileira cabocla Maria Girão e do guitarrista português Fernando de Freitas (o seu background mestiço valeu-lhe a alcunha frequente em Portugal de "o Índio"). Tendo aprendido guitarra clássica com o seu pai, a partir dos 14 anos começa como vocalista de vários grupos de rock no Rio de Janeiro. Aos 17 anos vem para Portugal (onde a partir de então estará radicado) e faz parte dos Pentagono. Pouco tempo depois entra para os Heavy Band que incluía alguns dos melhores músicos portugueses da altura. De 1971 a 1973 foram para Angola onde chegam a editar dois singles ("Beggar Man" e "Your New Motel") através da Valentim de Carvalho. No Brasil fizeram as primeiras partes de Gilberto Gil, Os Mutantes e Hermeto Pascoal, entre outros. A solo editou, ainda em 1972, o single “Engrenagem”.

Esta experiência em terras africanas irá influenciar profundamente a forma de compor e de cantar de Very Nice, o seu nome artístico da altura, sendo essa a base de todo o seu trabalho futuro.

No início de 1975 participa, conjuntamente com Jorge Palma, no Festival RTP da Canção de 1975.

Em 1976 é lançado o single “Brothers of the Sun/Yes I Know”. No ano seguinte é editado o álbum "Discretamente".

Fernando Girão colabora no álbum “Ascensão e Queda” dos Petrus Castrus editado em 1978.

Em 30 de Abril de 1982, "Intelectual do Café" foi o nº1 do top de estreia do programa "Nós Por Cá" (Rádio Renascença) de Rui Pego e António A. Duarte.

É editado o álbum "Contos da Europa Tropical" que inclui os temas "Coleira de Solidão”, “História do Calção”, “Super Dona”, “Quando Tudo Isso Vem”, “Joana (Do Vão da Escada)”, ”Do Outro Lado da Barreira”, “Intelectual de Café” e “Convalescença”.

Em 1987 é editado o álbum "Africana" pela CBS espanhola. O disco "Índio" é editado em 1989.

O disco "Girão Live", gravado ao vivo, é editado em 1991.

Em 1993 é lançado pela Numérica o disco "Outros Fados" que incluir dez temas tradicionais.

Em 1995 é editado o disco "Dias de Amanhã" pela Movieplay. Nesse ano participa nos discos "50% 50%" de Simmons e em "Ad lib(itum): vol. 1" de Laurent Filipe.

Em 1996 é o autor da música do disco "Racismo Não" a favor da AMI e que contou com a participação de muitos artistas portugueses.

O disco "Cantos da Alma é editado em 1998.

O single da Festa da Diversidade (1999) inclui os temas "A terra não é de ninguém" de Fernando Girão e "O Mundo Sem Papel" de Nill Luz. Conta com participação de vários cantores como Sergio Godinho, General D, Maria Viana, Paulino Vieira, Filipe Mukenga, Adelaide Ferreira, entre outros.

"Olhos Nos Olhos" (Ovação, 2000). Participa no disco da campanha desse ano do Pirilampo Mágico.

É um dos cantores convidados do disco "Uma Carreira em Dueto - De Jorge Amado a Pessoa" de Roberto Leal editado em 2003. O tema "O azul dos teus olhos" aparece no disco "A Música da CP LP" editado em 2003.

Ainda em 2003 é editado "Uma Antologia Híbrida" com um livro (84 peças ilustradas) e um CD-ROM (29 peças) com prefácio de Helena Sacadura Cabral, Pedro Abrunhosa e Baptista-Bastos. Fernando Girão leva-nos a percorrer o seu Caminho de Santiago, a ritmos alucinantes, em celebrações da vida e do amor. E nesta viagem as palavras são espada e oração. Estamos perante uma antologia híbrida que reúne poemas e contos escritos pelo autor entre 1993 e 2002.

Regressou aos discos, em 2009, com o álbum "Fado Negro". O disco inclui 12 novos temas, sendo 2 deles dedicado aos seus pais: "Fado Maria Girão" e "Fado Fernando de Freitas".

Discografia
Engrenagem/Pequeno Poema (Single, Orfeu, 1972) [Very Nice]
O Pecado Capital (Single, Zip-Zip, 1975) com [Jorge Palma]
No Teu Poema/Flor de Verde Pinho (Single, Orfeu, 1976)
Brothers of the Sun/Yes I Know (Single, TLD, 1976) [Very Nice]
Discretamente (LP, Imavox, 1977) [Very Nice]
O Velhinho Moderno/Intelectual de Café (Single, Diapasão, 1982)
Contos da Europa Tropical (Rádio Triunfo, 1982)
Africana (LP, CBS, 1987)
Índio (LP, 1989)
Girão Live (LP, 1991)
Outros Fados (Numérica, 1993)
Dias de Amanhã (Movieplay, 1995)
Cantos da Alma (CD, 1998)
Olhos Nos Olhos

Festival de musica moderna de Corroios

XX Festival de Música Moderna de Corroios'2015
20 Anos a Apoiar a Nova Música Portuguesa

Desde o ano de 1996 que se realiza o Festival de Música Moderna de Corroios, cujo objetivo é o estímulo, promoção e divulgação de novos projetos musicais a nível nacional.

Desde o seu início, o evento ganhou crescente importância, sendo hoje classificado por muitos profissionais do meio musical e por quem nele tem participado, como um dos melhores e mais importantes festivais de música moderna portuguesa, no seu género, que se realizam no nosso país.

Para comemorar os 20 anos do Festival, e depois de ao longo dos anos termos recebido em Corroios centenas de projetos oriundos de todo o país, decidimos este ano “levar” o Festival até às mais importantes cidades do país e a algumas salas emblemáticas, no que à música/músicos diz respeito, bem perto dos locais de proveniência da maioria dos projetos que até hoje têm concorrido ao Festival e aproximando-nos daqueles que, este ano, potencialmente se candidatarão, o que será também, pensamos, facilitador da sua participação.

Neste contexto o XX Festival de Música Moderna – Corroios’2015, decorrerá nos dias 7 de março, 1ª sessão no Salão Brazil (Coimbra), 14 de março 2ª sessão no Hard Club (Porto), 21 de março 3ª sessão no Popular Alvalade (Lisboa) e 28 de março, a final no Cine Teatro do Ginásio Clube de Corroios.

Daqui e para memória futura, com a maioria com as suas primeiras canções produzidas e editadas em CD-Ep, brotaram nomes como os «Luazzuri»/1996 (com David Rossi - projecto Zedisaneonlight - Zona Música); «Sirius»/1996 (UHF – alguns elementos fizeram/fazem parte da formação que acompanha António Manuel Ribeiro); «Yellow W Van»/2000 (assinaram contrato com a editora Universal em 2001); «Factos Reais»/2001 (com os trabalhos "Será Justo" editado em 2003 e “Plano B” editado pela Matarroa); «Ashfield»/2002 (segundo lugar no Termómetro Unplugged 2003); «Plasma»/2003 (vencedores em 2004 do concurso “Alarga a Tua Vida” da Alcatel, na categoria Pop-Rock); «The Poppers»/2004 (“Boys Keep Swinging”- Rastilho Records-2006); «UMEED» e «Sugar»/ 2005; «New Connection»/2006 (“Guts” - Mouraria Records - 2006); «The Cynicals»/2007; «The Profilers»/2008 (agora Os Lábios); «Fato Feto»/2009; «The Hypers»/2010; «Skills and the Bunny Crew»/2011; «Planeta Vaca»/ 2012; «Homem de Marte /2013» e «Vira Casaca» /2014, entre muitos outros como: «Easyway», «Orgasmo», «Triplet», «You Should Go Ahead», «Dapunksportif», «Skalibans» ou «Meu e Teu», caso único a nível nacional.

Regulamento 2015  

A Junta de Freguesia de Corroios tem como um dos seus objetivos o incentivo a projetos de criação cultural e a afirmação de novos valores.

Num contexto de difícil afirmação da nova música portuguesa, promover, divulgar e apoiar os novos projetos nesta área, torna-se imperativo.

Vinte anos após a sua primeira edição (1996), estamos convictos da importância deste evento para todos os que nele têm participado.


REGULAMENTO


Artigo Primeiro
(Destinatários)

O XX FESTIVAL DE MÚSICA MODERNA CORROIOS' 2015 abrange todos os agrupamentos ou individuais portugueses sem edições comerciais nem contrato com editoras, não inibindo a participação de quem tenha edições de autor ou temas incluídos em compilações. Os projetos não podem incluir: músicos convidados, músicos com discos gravados (edições comerciais) ou músicos pertencentes a outros projetos participantes no Festival.


Artigo Segundo
(Datas e locais de realização)

O Festival terá lugar, pelas 22:00h, nas seguintes datas e locais:

• 1ª SESSÃO: SÁBADO, 7 de março, Coimbra (local a definir) atuação de três projetos,

• 2ª SESSÃO: SÁBADO, 14 de março, Porto (local a definir) atuação de três projetos,

• 3ª SESSÃO: SÁBADO, 21 de março, Lisboa (local a definir) atuação de três projetos,

• FINAL: SÁBADO, 28 de março, no Cineteatro do Ginásio Clube de Corroios com a atuação dos três melhores projetos selecionados das três sessões, que disputarão a final para apuramento do vencedor,


Artigo Terceiro
(Inscrições)

1. A inscrição é feita com a entrega de uma maqueta com quatro temas originais e a opção por um quinto tema, que será obrigatoriamente uma versão de um tema editado e em português, que serão os mesmos a apresentar ao vivo. A duração de cada tema não deverá ultrapassar os 5 minutos. Se os temas forem cantados, as letras dos temas originais (4) podem ser em qualquer idioma.

2. As maquetas para inscrição poderão ser entregues ou enviadas por correio registado com nome, morada e telefone do remetente para:

Junta de Freguesia de Corroios, Largo do Mercado
2855-100 Corroios

Poderão também ser entregues por correio eletrónico, em formato mp3, para a conta musica@festivaldecorroios.net Neste último caso, devem seguir por e-mail, os restantes dados conforme descrito no ponto três.

3. Devem fazer acompanhar obrigatoriamente a maqueta com os seguintes elementos:

• Nome do projeto concorrente;
• Nome, idade, profissão, morada, contato telefónico dos músicos;
• E-mail e/ou sítio na Internet caso o possuam;
• Fotografia atualizada e biografia da formação;
• Letras dos temas.

4. O prazo limite de inscrição é o dia 9 de janeiro de 2015 (data de carimbo CTT ou do e-mail enviado).

5. Os projetos concorrentes autorizam tacitamente, pelo ato de inscrição, a inclusão dos e-mails apresentados na lista de divulgação do Festival.

Artigo Quarto
(Seleção e divulgação)

1. Serão selecionados nove projetos mais três suplentes, não sendo determinante a qualidade das gravações na sua apreciação.


2. A lista de projetos selecionados será divulgada no endereço http://www.festivaldecorroios.net e os seus responsáveis contactados diretamente.


Artigo Quinto
(Sound-Check)

1. Em cada sessão atuarão três projetos que se deverão apresentar na tarde da respetiva sessão nos horários estabelecidos pela organização.

2. Os horários do sound-check terão a duração de 60 minutos para cada projeto e deverão ser rigorosamente cumpridos.


Artigo Sexto
(Atuação)

Cada projeto apresentará os quatro ou cinco temas a concurso e o tempo de atuação não deverá exceder os 35 minutos.

"Horizonte", o novo disco dos Resistência


NOVO DISCO DA RESISTÊNCIA AO FIM DE 22 ANOS


Após vinte e dois anos de intervalo, os Resistência editam hoje “Horizonte”. O quarto disco do grupo – terceiro de estúdio – apresenta 11 temas resgatados ao tempo e às obras de outros grupos, entre os quais Madredeus e a banda cósmica, Xutos e Pontapés, Delfins ou Rádio Macau.


O novo reportório, onde prevalece a importância das palavras e das guitarras, será apresentado ao vivo no dia 17 de Dezembro no Teatro Tivoli BBVA.
Alexandre Frazão, Fernando Cunha, Fernando Júdice, José Salgueiro, Mário Delgado, Miguel Ângelo, Olavo Bilac, Pedro Ayres Magalhães, Pedro Jóia, Rui Luís Pereira (Dudas) e Tim são os elementos que compõem os Resistência.

Recorde-se que os Resistência, o primeiro supergrupo da música portuguesa, tinham editado até à data três discos: dois de estúdio (“Palavras ao Vento” em 1991 e “Mano a Mano” em 1992) e um disco ao vivo (“Ao Vivo no Armazém 22”, editado em 1993).



O primeiro single do disco, “Vai Sem Medo” pode ser ouvido aqui:

OUVIR - http://www.youtube.com/watch?v=PNrDY7oXRvU




“HORIZONTE” - alinhamento:

Vai Sem Medo (do álbum «A Nova Aurora», de Madredeus e A Banda Cósmica, 2009) – cantado por Tim.
Cidade Fantasma (do álbum «O Elevador da Glória», dos Rádio Macau, 1987) – cantado por Miguel Ângelo.
Ser Maior (do álbum «Ser Maior, Uma História Natural», dos Delfins, 1993) – cantado por Olavo Bilac.
Deitar a Perder (do álbum «XIII», dos Xutos e Pontapés», 2001) – cantado por Fernando Cunha.
Balada do Bloqueio (do álbum «Delfins», dos Delfins, 2007) – cantado por Tim.
Perfeito Vazio (do álbum «Xutos e Pontapés», dos Xutos e Pontapés, 2009) – cantado por Pedro Ayres Magalhães.
Melhor Amigo (do álbum «Companheiros de Aventura», de Tim, 2010) – cantado por Tim.
Baloiçando nas Estrelas (do álbum «A Nova Aurora», de Madredeus e A Banda Cósmica, 2009) – cantado por Tim, Olavo Bilac e Miguel Ângelo.
Estrela da Vida (do álbum «Ser Maior, Uma História Natural», dos Delfins, 1993) – cantado por Tim.
Cantiga de Amor (do álbum «8», dos Rádio Macau, 2008) – cantado por Olavo Bilac.
Gota a Gota (do álbum «Mundo ao Contrário», dos Xutos e Pontapés, 2004) – cantado por Miguel Ângelo.




P.s. para mais informações sobre os Resistência por favor consultar documento em anexo.


Dep. Promoção/ Warner Music Portugal/ 24 de Novembro de 2014

Expensive Soul em Lisboa e no Porto

Expensive Soul nos Coliseus

Lisboa 18 Abril | Porto 2 Maio

Desde 1999, diz o logotipo e a história dos Expensive Soul. Estamos em 2014 a caminho de 2015 e, fazendo as contas, já são mais de 15 anos de carreira. Tempo em que o duo de Leça da Palmeira soube pacientemente lançar os alicerces e cimentar uma carreira irrepreensível traduzida em 1 DVD “Symphonic Experience” e milhares de concertos. Pacientemente porque não se iludiu com o sucesso retumbante de canções como “Eu Não Sei”, “Brilho”, “13 Mulheres”, “O Amor É Mágico” ou as mais recentes “Cupido”, “Que Saudade” ou “Só Limar”. Quinze anos em que souberam recusar ofertas para ocupar as salas rainhas de Lisboa e Porto.

Os Expensive Soul preferiram manter os pés bem assentes antes de anunciarem que é finalmente em 2015 que vão atuar nos Coliseus. Dia 18 de Abril em Lisboa e 2 de Maio no Porto.

E se há anos que Demo e New Max levam para a estrada espetáculos do mais alto nível com pelo menos 12 músicos em palco e cenografias simples mas eficazes, 6 meses é o que vão investir na conceção e produção dos concertos dos Coliseus. Já não surpreende. Tempo é algo que os Expensive Soul prezam e que têm agora, passada a azáfama do lançamento do 4º álbum “Sonhador”. Porque o que está a ser preparado vai, mais uma vez, encher a alma. A deles e a nossa.

Preços dos Bilhetes: de 20€ a 27,50€

Bilhetes à venda:

Coliseu de Lisboa os bilhetes estão à venda na www.bilheteiraonline.pt e locais habituais
Coliseu do Porto os bilhetes estão à venda em www.ticketline.sapo.pt e locais habituais

sábado, novembro 29, 2014

Playlist BMP

Arte & Oficio_Contradiction
Cassapo_Nostalgia
Vasco Balio_Gravata
Nuno Lupi_December Song
Phama - Nao Vou Ca Estar
UHF_Era de noite e levaram
Gritali_Saudades (2004)
Vitor Dias_Raio de Luz
Karpa Koi_Sentidos proibidos
Gritali_Nao consigo compreender
Gritali_Noites
D3O_Coldnt care at all
Nuno Guerreiro_Tento saber
Gritali - Comemoracoes injustificadas
Lisamona_Old Back the rain
ROXIGENIO_Stiff Nicked Obstinated
Ferro & Fogo_Sta_Apolonia
Johnny Johnny_Volto Ja
Manifesto_Aos domingos vou a bola
Ferro & Fogo - Super Homem

sexta-feira, novembro 28, 2014

Cd de estreia de Os Bichos

O EP de estreia homónimo da banda BICHOS chegará às lojas online e plataformas de streaming no dia 15 de Dezembro, mas está, a partir de hoje, disponível para escuta na sua página Bandcamp: www.os-bichos.bandcamp.com.

«O rock que os BICHOS apresentam é muito português. Mas é um português que vai para lá da língua. Este trio soube ouvir, com atenção e bom gosto, os nossos anos 80. A essa herança, juntaram­-lhe um twist suavemente melancólico – culpa de se ter adolescido nos anos 90, arrisco eu» (Diego Armés). Bruno Figueiredo na guitarra e voz, David Santos (TV Rural, Real Combo Lisbonense, Márcia) no baixo e Dino Récio (Ekta Moai) na bateria são a versão revista e finalizada de uma banda que já teve outras peles.

Este EP, de 6 faixas, foi gravado e misturado por Gonçalo Ferreira e masterizado por Miguel Mendes na Bender Mastering Studios. «26 de Abril», o contagiante primeiro "single" deste disco, foi lançado no passado dia 18 de Novembro. O vídeo, realizado pela banda, pode ser visto aqui: https://www.youtube.com/watch?v=jBQTxFSo878

A festa de lançamento do disco ocorrerá já esta quinta-feira, dia 27 de Novembro, pelas 23h00, no Sabotage Club no Cais do Sodré. A noite começará com um concerto dos Vaga Lume, banda Lisboeta com novo disco, "O Dia em que a Roda Girou", acabado de lançar, e continuará pela noite fora com um dj set de Homem Temporariamente Só, nomeadamente Diego Armés em formato pontualmente solitário atrás dos pratos de gira-discos, com o pop-rock português e os anos 90 em pano de fundo.

Evento Facebook: https://www.facebook.com/events/341532936029194/

Oquestrada no Casino da Póvoa

Oquestrada

6 Dezembro | Casino da Póvoa

OqueStrada apresentam o seu mais recente disco, "AtlanticBeat mad'in'Portugal", no próximo dia 6 de Dezembro no Casino da Póvoa. Parte da receita deste concerto reverte para a Casa do Regaço

Bilhetes à venda: Ticketline e na Delegação da Cruz Vermelha da Póvoa de Varzim
Preço: 12,50€

Novo disco de José Medeiros

"Aprendiz de Feiticeiro, Imagens e Canções" é o mais recente trabalho de Zeca Medeiros. O criador açoriano, português, universal presenteia-nos com um CD/DVD que conta com 20 novos temas e com a revisitação da sua longa obra através de um DVD documental, realizado por Tiago Rosas.

No CD participaram muitos dos seus amigos como Filipa Pais, Carlos Guerreiro, Manuel Rocha entre muitos outros brilhantes músicos. Zeca dá-nos como no passado temas de um bom gosto, delicadeza e profundidade, onde se reconhece uma semântica muito própria, demostrando mais uma vez toda a sua estética, diversidade e complementaridade de artes desde actor, músico, compositor e realizador.

No DVD podemos ver, pela primeira vez, gravado "para a câmara", temas já clássicos como "Isaltina", "Cantiga da terra" e o "Cantador", enquanto somos guiados pelo próprio Zeca numa viagem pela sua carreira, com excertos de alguns dos seus trabalho cinematográficos mais carismáticos, como "Mau tempo no Canal" e "Gente Feliz com Lágrimas", entre muitas outras surpresas. Este completo artista traz-nos uma obra que ficará certamente como uma referência da música lusófona.

No próximo sábado, dia 29 de Novembro, pelas 22 horas, será o concerto de apresentação deste último trabalho na Livraria Ler Devagar, em Lisboa.


Contacto Imprensa
Rogério Pires | Sons Vadios
Booking . Promoção . Gestão de Redes Sociais
962 387 734 | sonsvadios@gmail.com

quinta-feira, novembro 27, 2014

We Bless This Mess

We Bless This Mess é um projecto a solo de Nelson Graf Reis. Conhecido como tatuador por uns, conhecido por tantos outros como membro da banda portuense Blackjackers, o Nelson move-se pelas suas paixões.
Depois do caos e de aventuras num universo Punk, surge WBTM , novo projecto criado da necessidade de explorar a premissa "less is more" e da vontade de exteriorizar a positividade e o carpe diem - "Respiramos, estamos vivos. Esta é a maior dádiva." - diz-nos o Nelson.

Um EP será gravado no início de 2015 com Fred Ferreira (membro de projectos como Orelha Negra, Buraka Som Sistema e Banda do Mar).

Lamire-Noite dos musicos de rua

Lamiré – Noite dos Músicos de Rua já se encontra a seleccionar músicos para a edição de 2015



Depois de uma primeira edição – pautada não só pela qualidade dos músicos seleccionados como também pelo apoio do público que não hesitou em elogiar o nascimento da iniciativa - o Lamiré – Noite dos Músicos de Rua encontra-se a preparar a edição de 2015. O evento nasceu em 2014 com o intuito de apoiar e divulgar a produção musical de músicos que fazem da rua o seu palco e que vivem paralelamente afastados da indústria musical. Pretende-se promover uma aproximação entre o transeunte e o músico de rua incentivando assim um olhar mais atento à volta da paisagem sonora que nos rodeia.



O processo de selecção dos músicos decorrerá até ao final do mês de dezembro. A sociedade civil é convidada a recomendar músicos/talentos que encontrem a tocar na rua para que, no dia 28 de março de 2015, possam subir ao palco do Teatro do Bairro, em Lisboa (as sugestões em formato fotografia e/ou vídeo podem ser enviadas para a página do facebook do Lamiré - Noite dos Músicos de Rua). A noite será, uma vez mais, composta pela actuação de 5 projectos musicais. Para 2015, a organização do evento estuda a possibilidade de fazer uma tournée nacional, com os músicos, em palcos que os queiram receber.



Lamiré – Noite dos Músicos de Rua é um evento musical que reúne em palco músicos que tocam na rua, em Portugal. No nosso dia-a-dia, e nos principais centros urbanos, tropeçamos de forma contínua com músicos de rua que reclamam a nossa atenção. De passo acelerado, de telemóvel na mão, relegamos e, muitas das vezes, ajuizamos, de forma menos abonatória, uma diversidade e realidade culturais às quais não dispensamos o devido tempo. No Lamiré, esses mesmos músicos serão deslocados da rua para um palco onde terão luzes, amplificadores (se assim o desejarem) e remuneração pela sua prestação. Mas mais importante do que isso: terão público. Público este que, desta vez, abrandará o seu ritmo e irá parar para os ouvir tocar numa sala de concertos onde, por uma noite, os músicos de rua serão os protagonistas.



Músicos da 1.ª edição (29 de março, 2014):

Rini Luyks

António Risques Ferreira

Bandallorca

Light of Tunnel

Mistiçu

Lamiré - Noite dos Músicos de Rua
lamirenoitedosmusicosderua@gmail.com
Facebook
(+351) 918 565 416

Novo website de Mike Bramble

Novo website de Mike Bramble em www.mikebramble.com

domingo, novembro 23, 2014

d3o


Os d3o (the trio) nasceram em 2002, em Coimbra, das cinzas dos Tédio Boys. Estrearam-se ao vivo na 1ª parte dos Parkinsons (banda doutro ex-Tédio Boys, Vitor Torpedo) num concerto no Le Son em Coimbra.
Toni Fortuna (voz e guitarra, ex-Tédio Boys), Tó Rui (guitarra, ex-Garbage Catz) e Miguel (bateria, ex-Garbage Catz) depois de editarem SixPackTrack (2003), 8 Tracks On Red (2004) concluíram em 2005 com 7 Heartbeat Tracks (produzido por Paulo Miranda - Unplayable Sofa Guitar, Old Jerusalem, Legendary Tiger Man), o projecto inicial: um trio / três EPs.
Em 2008, “The Box”, compilou numa luxuosa caixa de madeira (limitada a 100 exemplares individualmente numerados e apenas disponível nos concertos e sites da banda) esses 3 trabalhos, e acrescentou um CDsingle promocional com os novos temas “Take This Love From Me” (com a participação de Raquel Ralha dos Wraygunn/Belle Chase Hotel/Azemblas Quartet) e “Junior Daddy”.
Simultaneamente, a editora inglesa Dirty Water Records colocou no mercado mundial, um single em vinil 7”, com os temas “Wanna Hold You” e” Go”.
Depois de um ano cheio de concertos, que incluíram passagens pelo Coliseu dos Recreios (na 1ª parte de Bloc Party), o Festival Alive, a alucinante noite com Mudhoney, novas incursões por Espanha e Inglaterra (Manchester, Sheffield e Londres), Tony Fortuna e companhia começaram o ano de 2008 com a “Box Tour”. Depois de gravarem uma sessão “3 Pistas” para o programa ‘Portugália’ da Antena 3, que incluiu uma versão acústica de “Rehab” de Amy Winehouse, os d3o gravaram o álbum estreia, “Exposed”, produzido pelo holandês Wout Straatman (o mesmo de ‘Farewell’ - Sean Riley & The Slowriders) e editado em 2009.
No início de 2012, os d3o concluíram as gravações de novo álbum de originais, “Love Binder”, ainda com Miguel Benedito na bateria, entretanto emigrado para o Canadá.
Nito, ex-companheiro de Tony Fortuna nos míticos M’as Foice, foi o escolhido para substituir Miguel Benedito na bateria.
“Love Binder” será editado dia 3 de Setembro e os d3o regressarão em breve ao seu habitat natural, o palco.

sábado, novembro 22, 2014

domingo, novembro 16, 2014

Upbeat/Rockschool - Escola de Rock


INSCRIÇÕES ABERTAS TODO O ANO!

TORNA-TE UM PROFISSIONAL DO ROCK...









UPBEAT® escolheu a ROCKSCHOOL como método de ensino, por ser o sistema internacional de certificação e exames de música rock e pop mais conceituado em todo o mundo. É ensinado em mais de 30 paises, o que significa que estudar rock na UPBEAT® é mesmo que estudar rock em Inglaterra, Canadá ou em qualquer um dos 5 continentes. A ROCKSCHOOL, com mais de 20 anos de existência, oferece o que os candidatos e professores necessitam num formato integralmente reconhecido e certificado.

Na Escola de Rock da UPBEAT® poderás obter certificação profisisonal em guitarra, baixo, bateria, teclado e voz, desde da iniciação até ao 8º Grau.



O estudo e as aulas são acompanhados por livros e CDs publicados pela ROCKSCHOOL.




Os exames da ROCKSCHOOL são Inspirados nas lendas do rock e na música dos nossos dias.
Os seus programas são concebidos para desenvolver um leque de aptidões que reflectem as reais exigências impostas aos músicos da actualidade.

Sim, podes escolher a tua música para te candidatares a exame, mas lembra-te que para ires a exame tens de estar preparado. A equipa pedagógica tem a responsabilidade de avaliar os alunos e determinar quais os que estão aptos a candidatar-se a exame internacional. Todos os alunos que estiverem preparados irão receber em Portugal um juri internacional e submeter-se à sua aprovação. No final de cada exame receberás um certificado reconhecido internacionalmente. O certificado do último grau permite a continuidade no ensino superior britânico.

Aprende a tocar a música que mais gostas, e durante o processo, obtém uma qualificação profissional reconhecida internacionalmente.


  Contacta:

21 018 2404
93 424 3001
upbeat@upbeat.pt
Vem conhecer o estúdio:
www.upbeat.pt

HEAVENWOOD (Oporto, PT) – New Album!


Portugal’s Dark Metallers HEAVENWOOD started a crowdfunding campaign for ‘ The Tarot Of The Bohemians (Part 1) ‘, their upcoming 5th studio album. The band wants to release this new album for free, via digital download or you can be one of the 500 to have the limited CD edition. The international supporters will receive free of shipping cost the CD or CD + T-Shirt depending what model of collaboration you choose. The first promo single and video for the track “ The Juggler “ has already been presented to the audience and you can check it out at http://youtu.be/MCz5qhLFBqg or download it for free at https://soundcloud.com/avantegardemngtsa/heavenwood-the-juggler-official-single-2014. ‘ The Tarot Of The Bohemians (Part 1) will be mixed and mastered by Kristian " Kohle " Kohlmannslehner ( CREMATORY, BENIGHTED, POWERWOLF and more ) at Kohlekeller Studios in Germany. The Artwork design will developed and realized by Matthew Vickerstaff of Darkwave Art. Vickerstaff has worked previously with CRADLE OF FILTH, MY DYING BRIDE, GODFLESH, THE HAUNTED and CATHEDRAL to name a few.
‘ The Tarot Of The Bohemians (Part 1) will succeed ‘ Abyss Masterpiece ‘ released back in 2011 via Listenable Records.
To enter the campaign and help HEAVENWOOD just follow to http://ppl.com.pt/pt/prj/heavenwood.
This Crowdfunding Campaign ends at 31/12/2014.

For extra info go to http://www.facebook.com/HeavenwoodOfficial

Novo cd de António Cassapo

António Manuel Martins Cassapo é vocalista, autor e compositor. Toca guitarra e ocasionalmente, bateria , baixo e harmónica.

Cassapo nasceu em Oeiras e desde muito cedo que a paixão pela música foi a grande impulsionadora para levar a cabo o que ele faz de melhor. Em 1992 formou a sua 1ª banda “ Butt “ como baterista, dois anos mais tarde estreou-se na voz e guitarra “Negative”, banda que durou até 1998. Em 1998 Cassapo participou no programa da Sic
" Chuva de Estrelas " onde conseguiu vencer uma eliminatória ao imitar Kurt Cobain dos Nirvana.

Após a passagem por algumas bandas e de ter mais de 60 músicas no seu reportório, Cassapo assina o seu 1º contrato discográfico em março de 2000 e lança finalmente em 2001 o 1º álbum intitulado " Sonhos ". Com este disco Cassapo correu o País de Norte a Sul e passou nos principais programas de rádio e televisão.

3 anos mais tarde Cassapo lança o seu 2º disco de originais intitulado
" Ser Humano ", Cassapo canta em Dueto com a Artista Dina e mais uma vez Cassapo correu o País de Norte a Sul e passou nos principais programas de rádio e televisão.

Em 2006 sai o 3º disco " Nudez ", os temas Nudez, Amanhecer e 100 Sentidos foram as músicas mais pedidas em muitas rádios nacionais.

 

Em 2008 Cassapo juntamente com a empresa “ Lois “ lançam o Ep
“ Aquele momento “

Este disco conta com o tema "Nudez acustico" que esteve presente na banda sonora da novela " Flor do mar " TVI!

No ano de 2010 Cassapo estreou o seu 4º disco de originais intitulado
" S.O.S " do qual contém os singles " S.o.s " e " Palpitação " . O tema
" Palpitação " foi dos temas mais ouvidos nas rádios nacionais e na Tv, fez parte da banda sonora da novela " Morangos com açucar 2010 ".

O melhor disco de Cassapo intitulado “ 11 “ , teve como data de estreia o dia 11.11.2011. Neste álbum podemos ouvir as 11 melhores musicas que Cassapo gravou durante 11 anos a solo, 2 temas bónus gravados em 2011, entre os quais “ Kota “ que fez parte da banda sonora da telenovela da Tvi “ Doce Tentação “ ( 2012 ).

No final de 2012 Cassapo ofereceu ao Benfica (clube do seu coração) uma canção intitulada " Glória no coração "

Neste momento Cassapo já trabalha num novo disco com estreia marcada para o 1º semestre de 2015.

O 1º single “ Tudo ou nada “ deste álbum fez parte da banda sonora da telenovela da Tvi " O Beijo do Escorpião " ( 2014 ) de

Diabo na Cruz novo álbum hoje numa loja perto de si!

Alinhamento:

1. Duzentas Mil Horas
2. Ganhar O Dia
3. Moça Esquiva
4. Amélia
5. Ó Luar
6. Vida De Estrada
7. Verde Milho
8. Mó De Cima
9. Azurvinha
10. Saias
11.Armário da glória

Meu Outro Tanto lançam disco de estreia gravado em Londres por Luis Jardim

A banda de rock português lança Círculo Absurdo, no próximo dia 22 de Novembro.
O projecto nascido no Porto conta com o vocalista Tobel Lopes (ex-Slamo e Anathema), que veio fechar a formação composta por Hugo Silva e André Nunes nas guitarras, Jorge Pereira no baixo, e Pedro Andrade na bateria. O disco foi gravado no Sarm Studios em Londres por Luís Jardim, e misturado e masterizado por Daniel Cardoso.

“Longe de Nós” é o single de estreia de Círculo Absurdo: http://vimeo.com/110140486

facebook.com/meuoutrotanto
     
           meuoutrotanto@gmail.com

Phazer na primeira parte dos Dinamarqueses D-A-D no Paradise Garage

PHAZER + D-A-D
Concerto de PhaZer com D-A-D :: 06-Dez-14 :: Paradise Garage
Os PhaZer foram confirmados como convidados especiais e banda suporte no concerto dos D-A-D no Paradise Garage em Lisboa, no próximo dia 6 de dezembro de 2014.

Este concerto da banda dinamarquesa faz parte da digressão "30 Years, 30 Gigs", comemorativa do seu trigésimo aniversário, ao mesmo tempo que PhaZer celebra o seu décimo aniversário.

O concerto começa às 21h, com abertura das portas às 20h. O preço dos bilhetes é 25€ e podem ser adquiridos nos locais habituais.


sábado, novembro 15, 2014

Novo cd ao vivo dos UHF

Os dois concertos de Dezembro do ano passado, CCB a 7 e Casa da Música a 18, finalizavam a digressão dos 35 anos dos UHF, agora reunidos em disco.

São 28 canções, algumas pela primeira vez em edição CD e outras, emblemáticas, que os fãs esperavam ver ao vivo há mais de 30 anos. Todas as surpresas foram possíveis e os dois públicos somaram intenção às captações. É UHF vintage, que acrescenta mais-valia à obra gravada em estúdio.

Tem, naturalmente, “Cavalos de Corrida”, "Rua do Carmo” e “Menina Estás À Janela”, mas recupera “Dança de Canibais” (1982), “Ébrios (pela vida) ” (1981), “A Morte Saiu À Rua” (1994), “Persona Non Grata” e “Um Mau Rapaz” (1982). E uma versão dramática (empenho patriótico) de “Sonhos Na Estrada De Sintra” (1988), a canção-culto dos fãs do grupo.

Do disco de originais de 2013, destaque para “Vernáculo (para um homem comum) ”, com a participação do invicto público nortenho.

Em venda física e digital a 24 de Novembro.

Concerto de apresentação 29 Nov | Murtosa | Aveiro | Auditório da Junta de Freguesia | 21h30

Novo disco de Carminho entra diretamente para o primeiro lugar no top de venda de discos em Portugal

“Canto”, o novo disco de Carminho, entrou directamente para o 1º lugar do top nacional de vendas. Além do top geral, “Canto” ocupa ainda a liderança do top de vendas de álbuns em formato digital.

A notícia chega no mesmo dia em é dado a conhecer o vídeo de “Chuva no Mar”, tema que reúne Carminho e Marisa Monte. Com letra de Arnaldo Antunes “Chuva no Mar” conta ainda com a participação de Carlinhos Brown.

Editado em Portugal a 3 de Novembro e com edição internacional prevista para o primeiro trimestre de 2015, “Canto” conta, além do dueto com Marisa Monte, com várias participações especiais: António Serrano, Carlinhos Brown, Dadi Carvalho, Jaques Morelenbaum, Javier Limón, Jorge Hélder, João Frade, Lula Galvão e Naná Vasconcelos. A estes junta-se ainda Caetano Veloso como letrista no tema “O Sol, Eu e Tu”, com música do seu filho Tom Veloso e de César Mendes.

“CANTO” está disponível em três formatos:

Edição standard com 14 temas
Edição digital com 14 temas
Edição Especial limitada com 17 temas, um exclusivo FNAC em digipack (ao alinhamento da edição standard juntam-se três temas-extra)